We use our own and third-party cookies to improve browsing and provide content of interest.

In continuing we understand that you accept our Cookies Policy. You can modify the cookies storage options in your browser. Learn more

I understand

Artigos destacados

AFQevo. Filtro ativo Multifuncional

ligado .

 

A solução mais versátil para os problemas de qualidade de rede

Introdução

As cargas domésticas e industriais contêm cada vez mais circuitos eletrónicos que se alimentam de corrente que não é senoidal pura. Assim, por exemplo, os motores utilizam cada vez mais a regulação de frequência que requer uma passagem de corrente alterna (CA) e corrente contínua (CC) e depois de CC para CA. Dado que o fornecimento habitual é de CA, isto implica uma utilização cada vez mais intensa de conversores eletrónicos (retificadores, onduladores, etc.) para realizar estas transformações CC-CA e CA-CC. O mesmo acontece com cargas habituais como computadores, iluminação LED e de descarga, elevadores...

Do ponto de vista da rede elétrica, isto traduz-se nesta dever alimentar um grande número de cargas que retificam a corrente e por ela, a forma de onda da corrente que consomem fica alterada, de forma que já não é uma onda senoidal, mas sim uma superposição de ondas senoidais com frequências múltiplas da frequência de rede (harmónicos). As figuras 1 e 2 mostram o consumo típico de uma rede com retificadores monofásicos e outra com retificadores trifásicos. Este tipo de correntes são as mais abundantes em instalações como escritórios, centros comerciais, hospitais...e são formadas por uma componente de 50 ou 60Hz (frequência fundamental da rede) e uma série de componentes de frequências múltiplas em diferentes percentagens. Estas percentagens podem ser medidas com um analisador de harmónicos, bem como a taxa de distorção total, THD, que indica a relação entre o valor eficaz de ondulado e a eficácia da componente fundamental.

Fig. 1 - Formas de onda típicas de redes distensionadas

A consequência dos consumos não senoidais é de que a tensão sofre também uma certa distorção devido às quedas de tensão nas impedâncias de linhas e transformadores. Nos registo poder-se-á observar uma leve distorção da tensão na rede monofásica (THD baixo) e uma distorção mais forte no exemplo trifásico. Em ambos os casos, a corrente tem formas muito diferentes da senoidal com valores de THD mais altos.

Para regular o tema e limitar os níveis de distorção de tensão nos pontos de ligação dos fornecimentos à rede pública, existe uma série de normas internacionais que estabelecem limites de emissão de harmónicos para os equipamentos e sistemas que se devem conectar à rede (Tabela 1), as mais importantes são as relativas aos níveis de compatibilidade.

AFQevo

Tabela 1 - Normas internacionais sobre limites de emissão de harmónicos

 

Alguns conceitos chave sobre harmónicos

Podemos compreender melhor os problemas de harmónicos baseando-se em alguns conceitos básicos que foram publicados em inúmeros artigos e livros e que resumimos em seguida:

  • A origem dos problemas de harmónicos são os recetores que consomem correntes distorcidas (recetores denominados "não lineares").
  • A propagação do problema para outros utilizadores conectados à mesma rede depende da impedância de dita rede e isto depende da companhia distribuidora. Esta impedância não acontece diretamente, mas pode ser calculada a partir da potência de curto circuito disponível (quanto maior a potência de curto circuito, menor a impedância).
  • O próprio utilizador tem uma parte da rede de distribuição até chegar à carga final. Assim o problema que possa ter à entrada da sua instalação pode ser atribuído à falta de potência de curto circuito, mas em muitos casos o problema que possa ter em pontos distantes da acometida, é a causa das impedâncias da sua própria instalação.
  • Abundando no tema da distorção em pontos distantes da acometida, é necessário ter em conta que a impedância das linhas tem uma componente indutiva muito importante. Portanto, não se trata muitas vezes de distribuir com cabos de secção muito grandes, mas sim limitar a indutância por metro dos cabos e isto consegue-se entrançando e retorcendo os cabos de distribuição (algo muitas vezes recusado pelos instaladores pela falta de estética que apresenta).
  • O problema de distorção da tensão no ponto PCC poder-se-á agravar devido a ressonâncias entre os condensadores de compensação do fator de potência e a indutância da rede de distribuição (transformadores e linhas).
  • As medidas corretoras (filtros) devem ser instaladas o mais próximo possível das cargas geradoras dos harmónicos.

Em resumo, a solução do problema de harmónicos é uma solução a dois níveis: Por um lado, o utilizador deve limitar a quantidade de correntes harmónicas que geram os seus recetores e deve procurar distribuir dentro da sua unidade com baixa impedância por metro de linha. Por outro lado, a companhia distribuidora deve garantir um mínimo de potência de curto circuito e deve velar para que os utilizadores não ultrapassem certos limites de distorção para que não prejudiquem os seus vizinhos que partilham com eles a rede.

Quanto os níveis de harmónicos gerados por alguns recetores não são admissíveis para o sistema de distribuição que os alimenta, devem aplicar-se filtros de correção. Neste artigo, vamos centrar-nos e desenvolver o tema da filtração.

 

Limites de compatibilidade por harmónicos

A presença de harmónicos na rede tem várias consequências. As mais importantes são as seguintes.

  • Deterioração da qualidade da onda de tensão, afetando alguns recetores sensíveis.
  • Sobrecarga e possível ressonância paralela entre a indutância de linha e os condensadores de compensação do fator de potência (FP).
  • Deterioração do fator de potência. A capacidade da rede para fornecer potência é assim diminuída pelo mesmo, obrigando ao seu sobredimensionamento.
  • Sobrecarga de cabos e sobretudo de transformadores (aumento muito significativo das perdas no ferro)
  • Problemas de disparo intempestivo de proteções

Para evitar este fenómenos, as normas estabelecem um mínimo de qualidade de fornecimento que é fixo limitando os níveis máximos de distorção na onda de tensão fornecida no ponto de acoplagem à rede pública (PCC). Estes limites denominam-se limites de compatibilidade. A tabela 1 indica um resumo de ditos limites, pelo que se refere a harmónicos em redes industriais de BT. As diferentes classes mencionadas em dita tabela correspondem a:

  • Classe 1: Ambiental industrial previsto para alimentação de equipamentos eletrónicos sensíveis
  • Classe 2: Ambiente industrial normal. Limites habituais para redes públicas
  • Classe 3: Ambiente industrial degradado (geralmente devido à presença de conversores). Não apto para alimentação de equipamentos sensíveis.

AFQevo. Filtro ativo Multifuncional

Tabla 2 - Límites de compatibilidad: Armónicos de tensión (Un%) en redes industriales de BT (IEC-61000-2-4)

Los armónicos de tensión se deben a la caída de tensión que producen los armónicos de corriente sobre las impedancias de la red de distribución. Este hecho se ilustra en la fig. 2. Así pues, el alcanzar estos límites depende de dos factores:

  1. Nivel de emisión de los receptores: A mayor emisión, mayor distorsión debida a la caída de tensión producida por las corrientes armónicas en la red
  2. Impedancia de la red: A mayor impedancia, mayor caída de tensión para el mismo valor de emisión en los receptores

 

Tabela 3 - Limites de emissão para Sequipamento < 33xScc (EN-IEC-61000-3-4)

La tabla 3 da los valores límites de emisión en redes de baja tensión, fijados por la norma EN-IEC-61000-3-4 para acometidas en las que la potencia instalada en elementos perturbadores no supere el valor (33 x Scc), donde Scc es la potencia de cortocircuito que corresponda a esta acometida (Parte proporcional de la potencia de cortocircuito total que corresponda a la potencia contratada).

 

Fig.2 Esquema unifilar indicando a deterioração da onda de tensão devido a cargas não lineares

 

Em que instalações são necessários filtros ativos?

Alguns dos problemas de perturbações que indicámos anteriormente podem ser mitigados e corrigidos através de filtros. Os filtros ativos são a solução ideal para instalações com grande quantidade de cargas monofásicas e trifásicas que sejam geradoras de harmónicos e com diferentes regimes de consumo.

Os filtros ativos são equipamentos baseados em conversores com modulação de largura de pulso PWM. Pode distinguir-se dois tipos: Filtros de série e filtros paralelos. Habitualmente, para cumprir com as normas IEC-61000-3.4 e IEEE-519 utilizam-se filtros paralelos, cujo princípio de funcionamento consiste na injeção à rede, em contrafase, dos harmónicos consumidos pela carga, através de um ondulador. A fig.3 ilustra este princípio de funcionamento mostrando as correntes de carga, de filtro e de rede. Vê-se que da soma de ICARGA + IFILTRO é obtida uma corrente IREDE que é senoidal.

Aeroportos e infra-estruturas - Indústrias automotivas - Hipermercados e centros comerciais - Indústrias de papel

Fig. 3 - Princípio de funcionamento de um filtro ativo paralelo

 

A solução

Os equipamentos de filtração foram incorporando funções complementares para se adaptarem às modificações nas instalações, quer sejam ampliações ou alterações das máquinas que possam necessitar de mais filtração de determinados harmónicos ou de um equilíbrio entre fases. Também é útil dispor de uma compensação de energia reativa nestes equipamentos.

"Interação fácil
touchscreen"

 

Como solução para os problemas anteriormente mencionados, a CIRCUTOR dispõe do novo filtro ativo AFQevo. O seu novo design permite oferecer vantagens como:

  • Capacidade unitária de filtração para correntes de 30 A por fase e de 90 A por neutro.
  • São necessárias maiores capacidades de filtração, o sistema pode ser ampliado com até 100 filtros activos AFQevo conectados em paralelo.
  • Reduzida envolvente metálica para a montagem em mural. Facilidade na instalação por dimensões.
  • Comunicações para uma melhor gestão energética da instalação.
  • Ligação do lado da rede ou da carga para uma maior flexibilidade de instalação.
  • Ajuste de prioridade para filtrar harmónicos, compensar reativa e equilibrar fases.
  • Redução das correntes harmónicas até à ordem 50 (2500 Hz).
  • Filtração seletiva de determinados harmónicos. Compensação de potência reactiva (indutiva/capacitativa).
  • Equilíbrio das correntes de fase. O modelo 4W ajuda à redução do consumo em neutro.

A importância de uma boa instalação

Para conseguir os melhores resultados, convém dispor de filtros como os AFQevo que são instalados e geridos de forma simples. As funções que mais facilitam a colocação em funcionamento são:

  • Colocação em funcionamento em 3 passos: conectar, configurar, arrancar.
  • Display tátil para uma gestão rápida
  • Alarmes como erro de configuração, polaridade, temperaturas, ressonância, tensões, sobrecarga, contatores, bus de contínua, etc.
 

"Eles ajudam a melhor
gestão de energia"

AFQevo. CONNECT - SET - CRANK

Polivalentes: Várias configurações e prioridades

Filtros ativos são CFA muito versátil, permitindo diferentes configurações e modos operação. tudo para guardá-las em instalações de tipos diferentes e, na maioria várias situações.

Polivalentes: Várias configurações e prioridades

Tipo de aplicação Multifuncional AFQevo com filtros ativos promontório e ao lado da carga.

 

Conclusões

A presença de harmónicos nas redes de distribuição é cada vez maior, causando uma série de problemas de deterioração da qualidade da onda de tensão, tornando necessário um sobredimensionamento das instalações e ocasionando perdas adicionais significativas. À margem da existência de normas que limitam o consumo de ditos harmónicos, é conveniente a filtração de ditos harmónicos, uma vez que permite otimizar as secções de cabo, as potências dos transformadores de distribuição e reduzir as perdas nas instalações e evitar perdas de produção.

A solução do problema passa por um design global e racional de filtros de harmónicos, como os filtros ativos, o qual permite solucionar o problema com custos razoáveis e facilmente amortizáveis na poupança de perdas, melhoria da vida de alguns componentes das instalações e otimização das infraestruturas de distribuição (cabos de canalizações, transformadores, etc.).

 

Transferir em formato PDF pdf es  en  fr  de  pl  pt  

 

Contacto:
t. (+34) 93 745 29 00
 

 


Consultar novidades na Seção Novidades.
Seguir as mensagens no Twitter, e LinkedIn.

circutor32x32

Contacto

CIRCUTOR, SA
Vial Sant Jordi s/n, 08232
Viladecavalls (Barcelona) Spain
Tel: (+34) 93 745 29 00
Fax (+34) 93 745 29 14

Serviço de Assistência Técnica

(+34) 93 745 29 19

SAT